ARQ306 – Conforto Ambiental II

 


Última atualização: 09 de Maio de 2004


 

Docente: Ricardo Carvalho Cabús

Turmas: A, B

Carga Horária Semanal: 2 horas

Carga Horária Anual: 80 horas

Ano Letivo: 2004

Curso: Arquitetura e Urbanismo

Horários: Turma A – Segunda-feira 11h10m – 12h50m

                   Turma B – Segunda-feira  13h30m – 15h10m

Notas/Faltas


 

Ementa     Objetivos     Conteúdo     Metodologia de Ensino     Metodologia de Avaliação
Cronograma     Bibliografia   Arquivos    Páginas Relacionadas    

 


 

Notícias:

 

 


 

Ementa:

 

Princípios de termodinâmica, caracterização térmica do ambiente construído, princípios de ventilação natural, ondas, radiação solar e insolação; Uso de diagramas solares; iluminação natural; princípios gerais de acústica.

 


Objetivos:

 

1-     Necessidade de se conhecer e se obter o quadro das condições climatológicas nas diferentes estações do ano;

2-     Identificar as condições climáticas de cada região e adequar a arquitetura ao clima;

3-     Amenizar as sensações de desconforto impostas pelo clima muito rígido;

4-     Propiciar ambientes os quais sejam no mínimo confortáveis com os espaços ao ar livre em climas amenos.        


Conteúdo:

 

I – UNIDADE:

- Clima : elementos integrantes do clima;

- Radiação solar;

- Abobada celeste;

- Analise do clima de Maceió;

- Propostas das aberturas nas edificações x radiação solar

 

II – UNIDADE:

- As cartas solares

- Altura solar x Azimute

- O uso das cartas solares e sua aplicação na arquitetura

- Exercícios práticos

- Programa Luz do Sol

 

III – UNIDADE:

- Mascara de Sombra;

- Protetores solares verticais

- Protetores solares horizontais

- Protetores solares mistos

- Mascara de sombra a partir de uma janela.

 

IV – UNIDADE:

- Climatização natural de edificações

- Iluminação Natural

- Fator de luz diurna

- Programa LumenMicro

- Análise da iluminação natural em um ambiente

- Princípios gerais de acústica arquitetônica

 


Metodologia de Ensino:

 

- Aulas expositivas

- Visita a estações meteorológicas

- Investigação prática na arquitetura local

- Uso de programas de computação

- Apoio: Textos, transparências, exposição de trabalhos, slides e computador.

 


Metodologia de Avaliação:

·         Qualidade técnica dos trabalhos práticos

·         Nível de investigação;

·         Criatividade e eficiência prática dos exercícios

·         Participação em sala de aula nos exercícios práticos

·         Cumprimento e desempenho das tarefas programadas

 

 

·         Médias bimestrais (4 durante o ano letivo) = 0,6 x Prova + 0,4 x Trabalho

                                                                            Prova (individual)

                                                                            Trabalho (Individual)

Será possível reavaliar a menor das quatro médias bimestrais, prevalecendo a nota da reavaliação.

·         Reavaliação = Prova (assunto específico do bimestre reavaliado).

·         Somatório das médias bimestrais (considerando, se existir, a reavaliação):

³ 28 pontos Þ aprovado

                        média = (Smédias bimestrais)/4

³ 20 pontos e < 28 pontos Þ Final

                                               média = 0,6 x (Smédias bimestrais)/4 + 0,4 x Final

                                               média ³ 5,5 Þ aprovado

                                               média < 5,5 Þ reprovado por média

< 20 pontos Þ reprovado por média

·         Final = Prova (assunto de todo o ano letivo).

 

Observações:

·           Os alunos terão direito a 25% de faltas da carga horária total da disciplina (80 horas x 25% = 20 horas). Ultrapassado esse limite, o aluno será reprovado por falta.

 


Cronograma:

 

·           Provas:

1AB - 

2AB -

3AB -

4AB –

Reavaliação -

Final -

 

·           Listas de Exercícios (Trabalhos): 

1AB –

2AB -

3AB -

4AB –

 

Observação: Os trabalhos não entregues no dia marcado serão penalizados com menos 1 ponto por dia de atraso.


Bibliografia:

 

  1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Normas de iluminação.
  2. BEHLING, Sofia; STEFAN. Sun Power. New York: Prestel, 1996.
  3. BITTENCOURT, Leonardo. Uso das cartas solares: diretrizes para arquitetos. Maceió: UFAL, 1988.
  4. FROTA, Anésia Barros; Shiffer, Sueli Ramos. Manual de conforto térmico. São Paulo: Studio Nobel, 1995.
  5. HOPKINSON, Ralph; Petherbridge, P.; Longmore, James. Iluminação Natural. Tradução: Antonio S. L. de Farias. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1975.
  6. LAMBERTS, Roberto; Dutra, Luciano; Pereira, Fernando O. R. Eficiência energética na arquitetura. São Paulo: Procel, 1997.
  7. MASCARÓ, Lúcia. Luz, clima e arquitetura. São Paulo: Nobel, 1989.
  8. ------. Ambiência urbana. Porto Alegre: Sagra – D C Luzzatto, 1996.
  9. ------. Energia na edificação. São Paulo: Projeto, 1991.
  10. MOORE, Fuller. Concepts and practice of architectural daylighting. New York: Van Nostrand Reinhold, 1991.
  11. OLGYAY, Aladar; OLGYAY, Victor. Solar control and shading devices. Princeton: Princiton University, 1957.

 

 

 

 


Arquivos Relacionados ao Curso:

 

Diagrama Solar de Maceió (.jpg)

Diagrama Solar de Maceió (.bmp)

Transferidor de ângulos verticais em projeção estereográfica (.jpg)

Transferidor de ângulos verticais em projeção estereográfica (.bmp)

Gráfico da Equação do Tempo (ET) (.jpg)

Gráfico da Equação do Tempo (ET) (.bmp)

 

Clima e Conforto Ambiental - Um estudo para Maceió v1.0 – Autor Ricardo C Cabús (versão .htm)

Clima e Conforto Ambiental - Um estudo para Maceió v1.0 – Autor Ricardo C Cabús (versão .DOC)

 


Programas de computador relacionados ao Curso:

Introdução às Cartas Solares – Anexo da Referencia bibliográfica 3 (Bittencourt, 1988) – Autores: Clarissa C S C Marques e Thales M A Viera – pode ser adquirido (grátis) no PET-ARQ ou no GECA. Traz um tutorial com recursos de computação gráfica.

TropSolar – Programa de geometria solar  - Em breve estará disponível para cópia grátis, neste endereço (copia já disponível no .

TropLux – Programa para calculo de iluminação natural -  Em breve estará disponível para cópia grátis, neste endereço.

 

 


Sítios Relacionados:

 

GECA – Grupo de Estudos em Conforto Ambiental - UFAL

Associação Nacional para Simulação de Desempenho de Edificações (IBPSA-Brasil)

InfoHab – Centro de Referência e Informação em Habitação

ANTAC – Associação Nacional Tecnologia do Ambiente Construído

NPC – Núcleo de Pesquisa em Construção – UFSC

LABCON – Laboratório de Conforto Ambiental - UFSC

LABTERMO – Laboratório de Ciências Térmicas - UFSC

LABEEE – Laboratório de Eficiência Energética em Edificações – UFSC

 

Referencias bibliográficas:

Alves, Maria B. M; Arruda, Susana M. Como fazer referencias. Florianópolis: UFSC, 2000.